top of page

Doenças ocupacionais mais comuns no Brasil


Uma pessoa sendo analisada por uma médica

As doenças ocupacionais são enfermidades diretamente relacionadas às atividades profissionais de um indivíduo. Elas podem surgir devido à exposição a fatores de risco no ambiente de trabalho, como movimentos repetitivos, posturas inadequadas, substâncias químicas, ruído excessivo e condições de estresse. 


Estatísticas sobre a prevalência de doenças ocupacionais no Brasil mostram que milhares de trabalhadores são afetados anualmente. Só nos últimos 15 anos, por exemplo, quase 3 milhões de casos de doenças ocupacionais foram atendidos pelo SUS. De acordo com dados do Ministério da Saúde e da Previdência Social, as LER/DORT representam uma das principais causas de afastamento do trabalho. Além disso, a perda auditiva ocupacional, a asma ocupacional e os transtornos mentais relacionados ao trabalho também têm sido identificados como problemas significativos. Mas você conhece todas essas doenças? Hoje, vamos explicar melhor cada uma delas. 



LER (Lesões por Esforço Repetitivo)


LER, ou Lesões por Esforço Repetitivo, é um termo genérico utilizado para descrever uma série de condições que afetam músculos, tendões e nervos devido a movimentos repetitivos ou posições inadequadas durante a execução de atividades laborais. Essas lesões ocorrem frequentemente em trabalhadores que realizam tarefas repetitivas e são causadas pela sobrecarga e estresse contínuos em determinadas partes do corpo.


As principais causas de LER incluem:


  • Movimentos repetitivos realizados de forma contínua.

  • Posturas inadequadas ou forçadas durante longos períodos.

  • Uso excessivo de força na execução de tarefas.

  • Falta de pausas adequadas durante o trabalho.

  • Estações de trabalho ergonomicamente inadequadas.


Profissões com maior risco de desenvolvimento de LER


  • Digitadores e profissionais que utilizam computadores por longos períodos.

  • Trabalhadores de linhas de montagem em fábricas.

  • Operadores de caixa em supermercados.

  • Costureiras e profissionais da indústria têxtil.

  • Motoristas de transporte público e caminhoneiros.

  • Profissionais de saúde que realizam procedimentos repetitivos, como fisioterapeutas e enfermeiros.


Sintomas e sinais de alerta


Os sintomas de LER podem variar de leves a graves e tendem a piorar com o tempo se não tratados. Os sinais de alerta mais comuns incluem dor localizada em músculos, tendões ou articulações; sensação de formigamento ou dormência nas extremidades; rigidez e dificuldade de movimentação nas áreas afetadas; fraqueza muscular; além de inchaço ou sensibilidade ao toque.


É importante estar atento a esses sintomas e buscar orientação médica ao primeiro sinal de desconforto, para evitar o agravamento da condição. A prevenção de LER envolve a adoção de práticas ergonômicas no ambiente de trabalho e a conscientização dos trabalhadores sobre a importância de movimentos adequados e pausas regulares - como ajustar a estação de trabalho para garantir uma postura adequada, com a tela do computador na altura dos olhos e os braços em ângulo reto ao digitar, por exemplo.


A combinação de medidas preventivas e tratamentos especializados pode ajudar a reduzir significativamente o risco de desenvolvimento de LER e melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores afetados.


DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho)



Pessoa com lesão muscular no pescoço

Enquanto LER (Lesões por Esforço Repetitivo) se refere especificamente a lesões causadas por movimentos repetitivos, DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho) é um termo mais amplo que abrange todas as condições musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho, não apenas as causadas por repetição de movimentos. Isso inclui lesões originadas por esforços estáticos, posturas inadequadas, sobrecarga de peso e vibrações, além dos movimentos repetitivos.


Dessa forma, LER é frequentemente considerado um subconjunto de DORT, pois todas as lesões por esforço repetitivo são distúrbios osteomusculares, mas nem todos os distúrbios osteomusculares são lesões por esforço repetitivo.


 Fatores de risco e atividades mais comuns


Os principais fatores de risco para DORT incluem:


  • Movimentos repetitivos: Executar os mesmos movimentos de forma contínua pode levar a microtraumas cumulativos.

  • Posturas inadequadas: Trabalhar em posições que forçam articulações e músculos por longos períodos.

  • Esforços estáticos: Manter uma mesma posição por muito tempo, mesmo que não envolva movimentos repetitivos.

  • Sobrecarga de peso: Levantar, carregar ou mover cargas pesadas de forma inadequada.

  • Exposição a vibrações: Uso prolongado de ferramentas vibratórias ou trabalhar em ambientes com vibrações constantes.


Atividades mais comuns associadas a DORT


  • Trabalho em fábricas, especialmente em linhas de montagem.

  • Trabalho agrícola que envolve colheita manual ou uso de ferramentas pesadas.

  • Serviços de saúde, como enfermeiros que movimentam pacientes.

  • Construção civil, envolvendo levantamento de materiais pesados.

  • Motoristas de longa distância e operadores de máquinas pesadas.


Os sintomas de DORT podem variar de acordo com a parte do corpo afetada, mas comumente são dor, rigidez, formigamento ou dormência, inchaço e fraqueza muscular. Já suas medidas preventivas incluem ajustar estações de trabalho para promover posturas corretas e reduzir esforços desnecessários, realizar pausas frequentes para alongamento e descanso, e alternar entre diferentes atividades para evitar a repetição contínua dos mesmos movimentos.



Perda Auditiva Ocupacional


A perda auditiva ocupacional está entre os distúrbios relacionados ao trabalho mais comuns. Ela ocorre devido à exposição contínua a níveis elevados de ruído no ambiente de trabalho. As principais causas incluem máquinas industriais, ferramentas elétricas e ambientes ruidosos.


Ambientes de trabalho com maior risco


Alguns dos ambientes de trabalho mais propensos a causar perda auditiva ocupacional são:

  • Indústrias de manufatura: Setores metalúrgico, automotivo e têxtil.

  • Construção civil: Obras de infraestrutura e edificações.

  • Transporte: Aeroportos, ferrovias e transporte público.

  • Entretenimento: Casas de shows, boates e eventos ao vivo.


Como identificar os primeiros sinais de perda auditiva


Os primeiros sinais de perda auditiva incluem dificuldade para ouvir conversas, especialmente em ambientes com ruído de fundo. Assim como sons abafados, sensação de zumbido constante ou intermitente nos ouvidos e a necessidade de pedir aos outros que repitam o que disseram.


Para prevenir a perda auditiva ocupacional, é fundamental o uso de EPIs e a implementação de outras medidas preventivas, como tampões de ouvido e abafadores de ruído adequados ao nível de exposição, pausas regulares e, claro, audiometrias periódicas para identificar precocemente qualquer perda auditiva.



Asma Ocupacional


A asma ocupacional é uma doença respiratória causada pela inalação de substâncias presentes no ambiente de trabalho. Pode resultar da exposição a alérgenos ou irritantes químicos que provocam a inflamação das vias aéreas.


Setores e substâncias mais associadas


Os setores e substâncias mais comumente associadas à asma ocupacional incluem:

  • Indústria química: Exposição a solventes, isocianatos e outros produtos químicos.

  • Saúde: Contato com látex, medicamentos e desinfetantes.

  • Agricultura: Pesticidas, grãos e poeira de origem animal.

  • Construção: Poeira de cimento, amianto e tintas.


Sintomas comuns e diagnóstico


Os sintomas da asma ocupacional podem incluir tosse persistente, principalmente durante a noite ou nas primeiras horas da manhã, falta de ar, chiado durante a respiração e congestão nasal. Seu diagnóstico é realizado por meio de avaliação clínica, testes de função pulmonar e exames de provocação brônquica, além da análise do histórico ocupacional do paciente.


Para prevenir e manejar a asma ocupacional, recomenda-se a utilização de ventilação adequada e substituição de substâncias nocivas por alternativas mais seguras, uso de máscaras respiratórias e outros dispositivos de proteção e acompanhamento médico,


Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho


Em um mundo cada vez mais competitivo e exigente, a saúde mental se torna um tema ainda mais relevante no ambiente de trabalho. De acordo com uma pesquisa do ecossistema digital de saúde Conexa, somente em 2023, 87% dos funcionários entrevistados afirmaram ter ocorrido afastamentos onde trabalham por causa de doenças que afetam a mente do colaborador.


Os principais transtornos mentais relacionados ao trabalho incluem:


  • Estresse: Resposta do corpo a demandas excessivas ou pressões contínuas.

  • Ansiedade: Sensação de preocupação constante e medo irracional.

  • Depressão: Sentimentos persistentes de tristeza, desmotivação e perda de interesse nas atividades.


Fatores de risco psicossociais


Fatores como cobranças desmedidas, falta de reconhecimento e comunicação ineficaz podem contribuir para o desenvolvimento de ansiedade, depressão e outros transtornos mentais. 


Neste contexto, eles podem impactar significativamente a produtividade e a qualidade de vida dos trabalhadores, com consequências como:

  • Redução de desempenho: Dificuldade em concentrar-se e completar tarefas.

  • Afastamentos frequentes: Licenças médicas e ausências prolongadas.

  • Deterioração das relações: Conflitos com colegas e superiores.

  • Comprometimento da saúde geral: Aumento do risco de outras doenças físicas.



Importância do suporte psicológico e programas de bem-estar no ambiente de trabalho


Para promover a saúde mental no ambiente de trabalho, as empresas assumem a responsabilidade de criar espaços seguros e acolhedores, que promovam o bem-estar emocional de seus colaboradores. 

Isso significa ir além da oferta de planos de saúde e incluir medidas como implementação de políticas eficazes que ofereçam canais de comunicação abertos para o diálogo; desenvolvimento de programas de apoio à saúde mental, como palestras, workshops e grupos de apoio; e promoção de uma cultura organizacional que valorize o bem-estar individual e coletivo.


Pessoa trabalhando em um escritório

A conscientização sobre as doenças ocupacionais e a implementação de medidas preventivas são essenciais para garantir a saúde e a segurança dos trabalhadores. Nossa clínica oferece serviços especializados para o diagnóstico e tratamento dessas condições, contribuindo para a saúde ocupacional de nossos clientes. 

Convidamos você a realizar uma avaliação médica ocupacional em nossa clínica. Nossos profissionais estão prontos para oferecer consultas e exames específicos para garantir sua saúde no ambiente de trabalho. 


Comments


Receba nossa newsletter

Inscreva seu melhor e-mail para receber nossas atualizações sobre Segurança e Medicina do Trabalho, 
e nossas publicações em primeira-mão.

Obrigado pelo envio!

bottom of page